quarta-feira, novembro 09, 2005

Alice




Treme-lhe o corpo, o coração galopa
As veias tensas como bordões de um piano
Encafuada com a irmã, Alice
Veêm-se num comboio escuro

Ainda nem cinco anos tinha
E já a cabeça lhe doía
Dos duros golpes sofridos
Que nem chorar em paz podia

Os pais, sabe-se lá aonde
Provavelmente num vagão para adultos
Largam uma lágrima, um rio
Que lhes desagua no coração ferido

A irmã cantava-lhe baixinho
Estórias de fadas e magia
Adormeceram as duas de mãos dadas
No chão frio de carvalho carunchoso

9 Comments:

At novembro 09, 2005 6:01 da tarde, Blogger Bárbara divagou...

Não sei se tem alguma ligação mas associei este texto à história de Anne frank... Gostei muito, sentido, vivi o texto..

Parabéns...

Beijinhos

 
At novembro 10, 2005 12:58 da manhã, Anonymous batista filho divagou...

Comovente e belo.
Um abraço fraterno.

 
At novembro 10, 2005 11:36 da tarde, Blogger Eremita Baptista divagou...

houve quem associa-se o poema a Anne Frank...eu associo-o ao filme português ALICE...será?

está muito bonito...e obrigado pela tua passagem no convento...

 
At novembro 11, 2005 2:26 da tarde, Blogger agua_quente divagou...

Muito comovente, o teu poema. É uma situação repetida em muitas épocas da história, infelizmente.
Beijos

 
At novembro 11, 2005 3:15 da tarde, Blogger Mendes Ferreira divagou...

olá Susana...abracinhooooooos.

 
At novembro 12, 2005 2:58 da tarde, Blogger Wakewinha divagou...

Muito bonito e demasiadamente inspirador! ;)

Beijinho*

 
At novembro 13, 2005 12:45 da tarde, Blogger Poesia Portuguesa divagou...

Belo e doloroso...e recordo outras crianças...
Um abraço terno ;

 
At novembro 13, 2005 12:46 da tarde, Blogger Menina_marota divagou...

Comovente!
Que mais dizer, que não me arranque lágrimas de dor?

Um abraço terno ;)

 
At novembro 13, 2005 8:18 da tarde, Blogger Estrela do mar divagou...

...passei para deixar um beijinho e desejar uma boa semana...logo que me sentir melhor, voltarei...

 

Enviar um comentário

<

<< Home