sexta-feira, novembro 25, 2005

Carta de Despedida




(para o meu avô, k está à minha espera - já lá vão quase 10 anos- somewhere...não me sinto triste cm a morte dele, quer dizer, faz-me falta, mas ainda o sinto, no meu coração....)

Fechaste o olhos
Para sempre nesta vida
Num momento foste
Para a maior viagem

Deixaste memória
Legado, conhecimento
Apagou-se o teu sol
Veio a noite escura

Vais para outro mundo
Intercede por mim a "Deus"
Até já, que a vida é um segundo
Avô, amante da vida, adeus.

10 Comments:

At novembro 25, 2005 4:21 da tarde, Anonymous CASTOR divagou...

Pastorinha: eu, Castor, me confesso: Quase não conheci nenhum dos meus avós, apenas o meu avô paterno e, diga-se, muito mal, porque faleceu qundo eu era um animalzinho pequenino... Mas acho que ter tido avô, é bom para o ego... é que se não fosse ele, não havia pai ou não havia mãe e nós, tristes, não estávamos para aqui a falar disso, ehe,ehe,ehe... CHUAC! e BFS...

 
At novembro 26, 2005 1:05 da manhã, Anonymous Carlos divagou...

Oi Susana, vim agradecer sua visita lá no Beco. Fico feliz que você tenha gostado e espero te ver por lá mais vezes. Com relação ao seu avô, ele com certeza estará sempre com você, sempre estará junto daquelas recordações gostosas que você nunca irá se esquecer. bjs...

 
At novembro 26, 2005 6:42 da tarde, Blogger agua_quente divagou...

Eu, que já não tenho avós, li com alguma nostalgia o teu poema. Nas tuas recordações, o teu avô estará sempre contigo.
Beijos

 
At novembro 26, 2005 8:38 da tarde, Anonymous Banda-Inpulse divagou...

Sinto o mesmo por isso passei, mas infelizmentei sei que não tarda chega a minha hora.......não de ser avõ.....ufa.
Um bom fim de semana e coloca esse teu sorriso......vá lá...
Um abraço
Dante
Inpulse

 
At novembro 27, 2005 1:20 da manhã, Blogger antonior divagou...

Susana!

Obrigado pelas tuas palavras no meu post da Vénus e no blog da Poesia Portuguesa ao meu poema "Aurora Boreal". Vim agradecer-te, passei pelo teu perfil, e....não consigo acreditar que tens só 15 anos. Que linda que és. Que beleza interior! Mais nada interessa, sabes?!
Que lindo blog. Não percas o que há de belo em ti e extravassa como uma auréola, por favor.

Da forma mais simples e pura (minha querida, tenho mais de três vezes a tua idade) deixo-te um beijinho com muito carinho e amizade.

António

 
At novembro 27, 2005 1:24 da manhã, Blogger antonior divagou...

Ah! Esqueci-me de dizer uma coisa. Avós já não tenho nenhum, e pais também não. Como sabes um dia chegará a nossa vez de lhes irmos fazer companhia, mas enquanto cá estamos há que saber continuar a amá-los, mesmo onde estão, como tu fazes, e amar muito os que cá estão e merecem a nossa ternura.

 
At novembro 27, 2005 1:35 da manhã, Anonymous batista filho divagou...

Certamente velará por ti... somos como água de um rio: seguimos juntos por um período, depois, evaporamos, separamo-nos uns dos outros... mais tarde, ou mais cedo do que esperamos, reunimos-nos outra vez.
Um beijo fraterno e solidário.

 
At novembro 27, 2005 5:38 da tarde, Blogger Daniel Aladiah divagou...

Querida Susana
Ele espera-te...
Um beijo para ti e para a sua memória
Daniel

 
At novembro 28, 2005 9:39 da manhã, Blogger maresia_mar divagou...

Olá Su,
obrigado pela visitinha. Lindo o teu poema e revi-me nele, a partida do meu pai não foi uma partida mas um até já, em todos os momentos importantes eu sinto a sua presença e porquê?? Porque sentimos com o coração..

bjhs e até já

 
At novembro 29, 2005 12:20 da manhã, Blogger Kraak/Peixinho divagou...

Hey Pastora :) Finalmente estou por aqui a ler os teus escritos... :) Que bela pastorícia, hehe :) Este, em particular, é muito belo. Gostei muito. Não conheci nenhum dos meus avôs, infelizmente...

Além disso quero agradecer as tuas visitas lá pelo paixaum >+++'>. Espero que continues a por lá voltar. Eu vou ficar cliente aqui destas estrelas.

Bjzz

 

Enviar um comentário

<

<< Home